Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

23.3.18

MEMORIAS: CAPITULO 10: O JIPE VOADOR E O ANJO DA GUARDA BAIANO


Nascer do sol na Praia de Boa Viagem em Recife


O ANJO DA GUARDA BAIANO

Por

Jean Kleber Mattos


O primeiro lugar onde eu vi o sol se pondo no oceano foi Salvador. Em Recife, vejo o sol nascendo quando estou à janela de um hotel na Praia de Boa Viagem. Em Fortaleza, comparecia às “Luaradas” na orla, em dia de lua cheia. Ver a lua surgindo no horizonte marinho, imensa, é deslumbrante! Os grupos reúnem-se e sentam-se sobre a areia da praia para cantar e beber.

Quando vi Salvador pela primeira vez em meados dos anos 60, século XX, extasiei-me com a beleza da cidade. Anos mais tarde, já morando em Brasília, certo dia cansei-me do tédio da cidade. Era um sábado de manhã. Estacionei no aeroporto e comprei passagem para Salvador. Poucas horas depois estava na praia com amigos. Privilégio.

Em Salvador eu encontrava minhas antigas amizades cearenses que para lá se haviam transferido, Tereza e Marconi, e os novos amigos Carlos, Isabel , Arminda e Evandro.

Anos 70, as Discothèques estavam em alta. A fita das “Frenéticas” embalava os bailes:

“Mostre sua cara...

solte suas feras....

caia na gandaia

entre nessa festa!”...

Nos fins de semana o programa começava na sexta feira à noite. O estilo Discothèque com sua dança solta ensejava mais flirts. Inicialmente dançando em grupo, aos poucos o bailarinos iam-se dispersando e não raro, ao cabo de algum tempo,  o grupo havia crescido com o adendo de paqueras. Novas amizades, novos namoros.

Minha amiga Tereza narrou-me certa vez que, em uma das baladas, um moço que ela nunca vira antes acercou-se do grupo na pista de dança. Não demorou muito e estava dançando agregado e de olho nela. Simpatia mútua, quando parou o som, estavam de papo. Apresentações, apertos de mão, boas vindas ao que chegava, o ritual de sempre. Parecia que o grupo o absorvera bem.

Finda a noite, o moço ofereceu carona à Tereza. Ela ficou em dúvida. Afinal, viera no carro do grupo e certamente voltaria com eles. O moço, embora simpático, era até então um deconhecido, o que gerava o receio de alguma cilada.

Estimulada pelo grupo, Tereza aceitou a carona. Alguém do grupo falou, como de costume:

- Veja lá, hein ? Cuide bem de nossa amiga !

Ao que o moço respondeu:

- Fiquem tranquilos. Eu sou o anjo da guarda dela !...

Todos riram e o comboio partiu. Conforme prometido, o moço deixou Tereza em casa na tranquilidade. Ela dormiu como uma princesa.

Na manhã seguinte, o telefone tocou ainda cedo. Sonolenta, Tereza atendeu e levou um susto. O carro do grupo havia capotado de volta da boate e todos tinham sido levados para o hospital. Havia feridos mas ninguém corria risco de vida ou de sequelas graves.

Graças a Deus.



O JIPE VOADOR

Por

Jean Kleber Mattos 


Estava com dezesseis anos quando, em 1962, retornei a Ipueiras. Oito anos haviam decorrido desde a partida em janeiro de 1953. Viajei de trem com minha mãe, D. Mundita, e a prima dela, Carlinda, professora de piano. Curta permanência. Apenas alguns dias.

Hospedamo-nos na casa de meu padrinho, Costa Matos. Lá, fui apresentado a um sobrinho da Alderí, dona da casa, também adolescente e hóspede em férias. Bom companheiro.

Em moda na TV da época, os espetáculos marciais: "Tele Catch". À tarde, para diversão das crianças, o Lalú e o Carlito, filhos do Costa Matos, simulávamos uma luta de boxe como na TV. Encarapitados nos berços e redes, os meninos divertiam-se com o "show". Volta e meia um golpe mais duro escapava. Pedidos de desculpas. Quase não lembrava hoje do real nome do colega, Marconi, pois Costa Matos, exímio em colocar apelidos, o chamava de “Galante”. Uma óbvia referência ao perfil de paquerador, com capricho no vestir e no pentear o cabelo que lhe compunham a figura.

Localizei recentemente o Carlito, engenheiro de pesca Carlos Maria Moreira Costa Matos, Chefe de Gabinete do Ibama-Ceará. Lalú formou-se em medicina. É o Dr. José Cláver Moreira Costa Matos, famoso médico com destacada atuação em Fortaleza, no tratamento de crianças vítimas de incêndio.

No roteiro de visitas, inevitável, os miraculados. A imagem milagrosa da Virgem de Fátima estivera em Ipueiras em 1953 e dois amigos nossos, o Vicente que era mudo e a mãe da Isa Catunda, antes quase cega pela catarata, haviam sido recompensados por sua fé e devoção. Incrível ver o Vicente falar. Emocionante ver a mãe da Isa enxergar. Visitamos também Tia Catarina que havia morado no Videl, e D. Augusta, professora, amiga de minha mãe.

De início, o social pareceu prejudicado por minha condição momentânea de esportista. Sócio atleta de natação do Clube dos "Diários", eu somente permaneceria na equipe se atingisse a marca olímpica do clube nas provas que estavam por vir. Cuidava para não consumir álcool e dormir cedo, além de ser não fumante.

Eu já percebera que a cerveja era por certo a grande atração da rapaziada naquela idade. À noite íamos à praça principal encontrar as moças. Também comparecíamos às festas. Lá, encontraria meus primos Francisco e Manuelito. Lembro-me que o Carlito observava uma das festas à janela do Paço da Prefeitura. Em dado momento, comunicou-me que estava indo para casa, dormir. Preparei-me para acompanhá-lo, pois tratava-se de uma criança. Ele recusou dizendo que andava a vontade em Ipueiras, a qualquer hora do dia ou da noite.

Percebi então que a vivência em Fortaleza me fizera esquecer quão segura era a velha Ipueiras.

Algo me encantava de modo especial. A delicada beleza das moças. Hoje, passadas décadas, a memória alcança dois ou três nomes, se muito. Talvez porque a identificação se dava com mais ênfase no "filho de quem", que propriamente no nome de batismo. Assim, fazem eco em minha mente apenas os sobrenomes: Pinho, Catunda, Aragão, Mourão, Souza .... Enfim, os nomes das tradicionais famílias ipueirenses.

Em duas tardes, o ponto de encontro foi o Arco do Triunfo de N. S. de Fátima. Grupo misto. As moças comentavam sobre o ganho de indulgência a quem rezasse sob o arco. Lembraram-me de assumir uma atitude respeitosa no local. Padre Belarmino tinha especial zelo por aquele ambiente. Aviso desnecessário. Eu ainda estava impactado pelo encontro com os miraculados.

Numa tarde, alguns amigos convidaram-me para dar uma volta de jipe pela cidade. Findamos na pista de pouso, perto da estação de trem. O veículo era dirigido por Vavá, filho do Tim Mourão, ex-prefeito da cidade. Alguém falou que íamos levantar voo. Fiquei curioso. De fato, o veículo partiu da cabeceira da pista. O motorista com o "pé embaixo". O ponteiro do velocímetro tremulava na marca dos cem. Os passageiros transpiravam adrenalina.

Faziam sucesso na época os "pegas" automobilísticos do filme "Juventude Transviada" protagonizado pelo "enfant terrible" James Dean. Eu estava ali vivenciando a versão Ipueirense. Genial!

Na volta de trem para Fortaleza, dois ou três colegas estavam junto. Iam à capital. Lembro-me que Manuelito integrava a comitiva. Demos preferência a viajar no vagão restaurante. Os amigos haviam mandado "baixar" algumas cervejas. 

Grande sucesso na época com o intérprete Miltinho, os versos da canção:

"Saudade! Criatura impertinente, entra no peito da gente e dói como não sei o que..." 

Nós cantávamos e batucávamos na mesa. Eu pensava na beleza singela de uma das moças de Ipueiras. Não conseguia esquecê-la. Percebia agora que a flecha de Cupido transpassara-me o coração. Havíamos prometido trocar cartas. Romântico.

Hoje os jovens comunicam-se pela Internet. Mensagens ultrarrápidas e coloridas. No início dos anos sessenta dominavam as cartas, postadas no correio. Demoravam a chegar, mas traziam o cheiro e a vibração da musa. Cartas eram cheiradas, beijadas e abraçadas. Por certo ainda o são, mesmo neste mundo "wébico" e globalizado. Resolvi por alguns momentos esquecer a "performance" atlética e acompanhar os amigos na cervejada.

Afinal, ninguém é de ferro!



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial