Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

7.3.11

VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Por
Dalinha Catunda
*
O que devemos comemorar no dia 08 de Março?
Neste texto: Um lembrete para os homens e dicas para as mulheres.

Em revistas e jornais
Internet e televisão,
Vejo e sinto revolta
Com tanta judiação
Mulheres perdendo a vida
Que coisa mais descabida
E eu não vejo solução
*
A Mulher é mãe e filha,
Esposa e amante também,
Mas não nasceu para ser
Afrontada por ninguém.
Por isto preste atenção
Tenha consideração
Pois pode lhe fazer bem.
*
Cada vez que vejo o sangue
De uma mulher tingir o chão
Sinto um aperto no peito
Dói demais meu coração.
Ver mulheres assassinadas,
Covardemente violentadas
Que sórdida situação.
*
Mulher não seja defunta,
Cadáver não seja não.
Prefira ser a viúva.
Você tem esta opção.
Sendo sua causa justa
Ficar presa não custa
Logo sairá da prisão.
*
Um homem violento
Pede violência também.
E a mulher maltratada
Pode e deve ir bem além.
Basta só envenenar
O almoço ou o jantar
Que bravo vai pro além.
*
Uma coisa vou dizer
E digo plenamente,
Em mim homem não bate
Nem em meu atrevimento.
E se resolver tentar
Vai dormir sem acordar
Este é meu pensamento.
*
Mulher não se rebaixe
Não permita a agressão.
Tudo começa com palavras,
Depois termina em caixão.
Você tem capacidade
De evitar atrocidade
É só querer solução.
*
Não denuncie marido
Se a queixa vai retirar.
Ele vai prometer mil vezes
Porém nunca irá mudar.
Quem ama nunca tortura
Não caia em falsa jura
Não se deixe dominar.
*
Mulher não é mais escrava
E cativa de um senhor.
Os tempos hoje são outros
Por isso faça-me o favor!
A mulher pode se manter
Não precisa se submeter
A morte, castigo e dor.
*
A violência domestica,
É bem ruim com certeza.
É dormir com inimigo
É viver sempre indefesa.
A mulher tem que acordar
Com muita garra lutar
Em prol de sua defesa.
___________________

Foto (cartaz) retirada da Internet e do blog cantinhodadalinha.blogspot

Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).

5 Comentários:

Blogger Jean Kleber disse...

Dalinha expressa sua revolta contra a violência sobre a mulher. Em estilo bem próprio ela deixa todos a pensar em tão delicado assunto. Abração, Dalinha!

7.3.11  
Anonymous Tereza Mourão disse...

Sem dúvidas Dalinha em seu estilo próprio, inconfundivel e verdadeiro toda sua revolta que ainda existe infelizmente contra nós mulheres. Abraços e até breve.

8.3.11  
Anonymous Anônimo disse...

Dalinha, muito fiel em seus versos na defesa da mulher...Parabéns pelo dia da mulher!
Célia Saraiva

9.3.11  
Blogger Dalinha Catunda disse...

Jean, Tereza e Célia,
Eu não gosto de ver as mulheres se acovardando, sumindo da face da terra.
E o que mais me revolta, é que somos nós, mulhees, que colocamos no mundo os responsáveis por essa violência contra a mulher.
Um abraço a todos,
Dalinha

9.3.11  
Anonymous Bérgson Frota disse...

INFELIZMENTE UMA POESIA QUE RETRATA A REALIDADE DE MUITAS MULHERES HOJE.OS HOMENS FRACOS E COVARDES DESCONTAM SUAS FRUSTRAÇÕES E PROBLEMAS NA COMPANHEIRA E EM SUA MAIORIA INTIMIDADAS E ATÉ MESMO NÃO CONTANDO COM O APOIO DA FAMÍLIA, SUPORTAM CALADAS.PARABÉNS PELA POESIA DENUNCIATIVA DALINHA, SEMPRE A ME SURPREENDER.

10.3.11  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial