Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

7.8.10

JEREMIAS CATUNDA, UM ANO DE SAUDADES

Um ano passou meu pai, os dias se foram e tu hoje me fizestes lembrar a figura encanecida que ao adentrar as calmas águas das oitenta e três primaveras, deixou-nos com tristeza, já com saudades. Mas com a certeza do dever cumprido.
Durante todo o tempo em que exercestes de forma ativa, dedicada e plena o teu papel, sempre soubestes da real importância que tinhas, tens e sempre terá para nossa vida.
O exemplo rico e vivo, deixado por ti, de integridade, retidão de caráter e compreensão ficaram e brotarão.
Também do ato sagrado de ser pai, que para ti não se resumia em gerar e sustentar um filho. Mas criá-lo, incutindo nele valores espirituais e morais, mostrando a real primazia dos dois primeiros em relação aos valores materiais, e isto tu bem o fizestes.
Nestes anos tua presença constante pela observação, soubestes reconhecer os valores latentes nos filhos, e os incentivou a exteriorizá-los para assim tornarem-se senhores de si.
Sabendo e tendo desta forma a responsabilidade de que nos criava para o mundo e nesta consciência, agiu de forma equilibrada e responsável. Dando tu próprio o real exemplo.
Quantas vezes meu pai, tu não chorastes em silêncio, no medo desassossegante de falhar, de não cumprir corretamente a tua missão.
E o choro silencioso pelo destino dos filhos por si só já não era uma prece ? Sem palavras, mas prece, pois não negava uma sublime rogativa.
Quantas vezes pai, para ensinar não te tornastes duro, quando o coração mandava relaxar e ceder pela alegria temporária. Porém, enquanto a dureza do momento garantiria horas e anos de gratificantes resultados.
É pai, assim sabendo, firme tu te mantivestes.
Junto à fiel companheira na semeadura do passado, muito fez e nos deixou tuas lições, num caminho não isento de fartos percalços e dificuldades superadas, de sacrifícios e dores pelos filhos.
Nós, os filhos e esposa hoje recordamos, em respeitoso silêncio, sentindo na saudade de ti, a presença que constante a não nos fazer distante, de forma diária de tudo que percorrestes conosco e venceu nesta difícil tarefa, que para nós te fez grande.
Um pai herói inesquecível.
Lembramos tua humanidade, que nos teus atos foram e são estímulos de exemplos imorredouros do dom sagrado do Criador, fazendo com que ao nos deixar fisicamente, nós cá sofrêssemos órfãos da tua paternidade, tão querida, a nos fazer ainda mais e sempre presença presente na nossa vida do teu amparo, direcionamento e eterno amor.

Bérgson Frota

(Publicado no O Povo em 07.08.2010)

6 Comentários:

Blogger Jean Kleber disse...

MERECIDA HOMENAGEM!!! TODOS NÓS TEMOS SAUDADE DO GRANDE POETA IPUEIRENSE JEREMIAS CATUNDA. OBRIGADO, PROF. BÉRGSON!

7.8.10  
Anonymous Claudenir Uchoa disse...

UM GRANDE SER HUMANO,MERECIDA HOMENAGEM.

13.8.10  
Anonymous Lurdinha disse...

Rarabéns pela bela homenagem a seu pai, realmente foi uma grande figura.

15.8.10  
Anonymous Alpiano disse...

Tive-o como um dos meus melhores incentivadores.

16.8.10  
Anonymous Olavo Moura Miranda disse...

Meu velho conterrâneo, embora mais velho que eu, fazia milagres na tribuna, quando discursava,todos aplaudiam, é Jeremias Catunda, sua tribuna é agora no céu.Parabéns pelo excelente trabalho de lembrança do filho que não nega ter herdado sua verve literária.

18.8.10  
Anonymous Irismar Cordeiro da Matta disse...

Jeremias, meu velho dos Catunda de Santa Quitéria, dos canários e das políticas. Muitas saudades amigo- irmão. Que a tua terra te dê o valor que você mereceu e fez tanto por ela.Parabéns pela crônica Bérgson.

19.8.10  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial