Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

19.2.09

POLÍTICA EM TOM MAIOR

Por
Marcondes Rosa de Sousa

Do jornal O POVO de Fortaleza Ceará em 16 Fev 2009

Política, entre nós, é vocábulo de várias faces. Desde a Grécia antiga, tem sido ela vista como a arte de bem governar, nascida com o próprio homem, que, por natureza, tem sido visto como animal político.

“Neste País”, no entanto, ela se ostenta “coisa suja”, ao toma-lá-dá-cá. Nessa linha, os dicionários registram-nos, a título de figuradas, acepções como “astúcia, ardil, artifício, esperteza” (Aurélio). E até os que, em nossa política, voltam os olhos para a utopia de um longo amanhecer, “para além do capital”, convertem-na na hipérbole do “fora a política”...

Na Web, tento, coordenar discussões sobre nossa vida política, em tom maior. Obstáculos múltiplos. Desde a vacuidade dos bordões e das palavras-de-ordem de nossas facções, até a postura crescente dos muitos que se esquivam num “estou noutra”, da indiferença e da abulia. Nisso, me chega do economista Cláudio Ferreira Lima, o artigo “Os indiferentes”, de Gramsci (1917) com o incentivo em tom de apresentação e socorro: “Para você, que sempre tem um lado, mas sabe respeitar os outros lados - até mesmo o dos indiferentes - e conviver bem com todos eles.”

Gramsci, em “Os indiferentes”, diz odiar a estes, e que “viver significa tomar partido”. Indiferença, para ele, é “abulia, parasitismo, covardia, não é vida”. Daí, seu ódio a quem não toma partido.

E aí, ocorre-me o Poema das Sete Faces, de Drummond, nosso poeta maior: “Quando nasci, um anjo torto/ desses que vivem na sombra/ disse: ‘Vai, Carlos, ser gauche na vida”. E o olhar à esquerda (gauche) aponta-nos amanhãs. Um amanhã, no entanto, sob a pauta dos versos: “Mundo, mundo, vasto mundo/ Se eu me chamasse Raimundo/ seria uma rima, não seria uma solução./ Mundo, mundo, vasto mundo,/ mais vasto é meu coração”.

Solução, o olhar mais alto que todos esperam de nós! _____________________________________

Foto: site images.ig.com.brpublicadorultimosegundooli...

Marcondes Rosa de Sousa, advogado, é professor da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade Estadual do Ceará (UECe). É uma das maiores autoridades em educação do Brasil. Ex-presidente do Conselho de Educação do Ceará e do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação, é Colunista do jornal " O Povo ", onde mantém seus artigos quinzenais.

4 Comentários:

Blogger Jean Kleber Mattos disse...

Mais um artigo de professor Marcondes com a densidade que lhe é peculiar ao tratar os temas relevantes de nossa política pública. Aproveitemos.

19.2.09  
Blogger Dalinha Catunda disse...

O professor Marcondes Rosa é incansável em suas provocações e na busca do diálogo.
Muitas vezes não somos indiferentes.
Revoltamos-nos, porém mesmo indignados
Nossa impotência fala mais alto.
Já ouvi em algum lugar que: “contra a maquina do poder e enchentes de rios não há quem possa”
Devo, porém admitir que cada artigo que ele escreve é uma semente plantada que um dia eclodirá.

19.2.09  
Anonymous Bérgson Frota disse...

A lucidez e profundidade com que o professor Marcondes ataca os desvios tanto da nossa educação como da nossa política faz com que possamos ter a certeza que nem tudo está perdido, aqui e ali gritos de protestos e sanidade como este ainda são ouvidos. Um excelente trabalho.

19.2.09  
Anonymous Ângela disse...

A arte de bem governar nunca definiu tão mal a "nossa política" tão desgovernada e mal administrada. Apesar de tudo é preciso continuar lutando... Belo artigo. Abraço.

20.2.09  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial