Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

19.1.13

Meu quintal, meu paraíso


Por
Bérgson Frota

            Falar da boa infância do interior é relembrar coisas boas que só nos deixaram saudades.
           Tinha lá na minha casa, da cidade que vivi quando criança, um amplo quintal cheio de árvores, muitas grandes a fazer sombra. Pés de graviolas, atas( ou frutas-de conde) para alguns, laranjas, tangerinas e limãos, também dois a três pés de mamãos.
            Corriam por este “paraíso” cinco a seis marrecas, as galinhas no galinheiro vigiadas sempre pelo único galo. O cachorro, que era manso para essa população, e para não deixar de dizer, haviam sagüis nas copas das árvores.
            Lá no centro um antigo e profundo cacimbão, coberto por uma ampla tampa de madeira grossa com uma abertura pesada e removível de um dos lados. Afinal era por lá que se descia o balde por corda e tirava-se o necessário de água a precisar.
            Também no quintal quando pequeno escalava eu às árvores e raras eram às vezes que não trouxesse frutas ou desse de frente com um arisco sagüi, que logo sumia pulando entre os galhos.
            Da descrição de meu quintal eu fiz um quadro mental, não imóvel, ainda lembro quando chovia com as árvores pingando a água que lhes banhava como se chorassem elas de alegria, ou quando verão, o seco vento da tarde balançava a copa das árvores levantando poeira, fazendo os pássaros voar dos ninhos.
            De lá me fui, mas levei boas lembranças das brincadeiras vividas, hoje recordo deste recanto que pensava ser meu, sem saber que era emprestado. Um paraíso para quem um dia ainda criança nele viveu.

Foto do site: novaiguacu.olx.com.br

     
Bérgson Frota, escritor, contista e cronista, é formado em Direito (UNIFOR), Filosofia-Licenciatura (UECE) e Especialista em Metodologia do Ensino Médio e Fundamental (UVA), tem colaborado com os jornais O Povo e Diário do Nordeste, desenvolvendo um trabalho por ele descrito de resgate da memória cultural e produzindo artigos de relevância atual.       
                           

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial