Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

16.5.09

CRÔNICA DE INVERNO

Por
Bérgson Frota

O céu escurecia de repente. Do nascente da cidade, um azulado escuro se assomava com o vento que tornava-se mais frio.
Os morros daquela cidade, amarronzados pelo muito tempo de sol, ostentavam sua seca e imóvel vegetação.
Pássaros voavam em grupos para direções incertas.
De repente um forte relâmpago que tornou o dia mais iluminado, logo em seguida um trovão fazia tremer toda a cidade, feito uma explosão vinda de alguma região celestial.
Começava uma ventania forte, que varria com força folhas e areia nas ruas ainda calçamentadas.
Longe da época das parabólicas, a cidade parecia ter em cada casa uma longa haste. Eram as antenas de TV, que por terem um cabo muito comprido começavam a dançar feito um bambuzal de ferro, não resistindo a força dos ventos e da chuva que já caía em grossos pingos.
A terra do rio seco, porosa e ainda quente, pois o sol partira há pouco, recebia e emanava um mormaço cheiro de coisa aquecida, que aos poucos cedia e logo tímidas as primeiras e rasas cacimbas formavam-se.
Era preciso esperar um pouco.
Quando a chuva já caía a cântaros na cidade, sua primeira parte atingia as cabeceiras do rio, na serra próxima.
Então grossas e rápidas ondas de água começavam a descer pelo rio outrora seco, vindas de longe, trazendo águas barrentas que com velocidade pareciam querer ocupar com pressa seus antigos espaços.
A chuva caía forte na cidade, agora já escurecida. O vento, os relâmpagos e os trovões acompanhavam-na.
O rio recebia a sua primeira cheia.
Era o inverno que chegava.
E todo este espetáculo regido por sábias mãos trazia para o povo do sertão uma tão grande alegria que mais parecia cair do céu neste dia, todas as lágrimas de sofrimento longamente represadas no peito da brava gente sertaneja.

________________________________
Foto : site proascg25.pbwiki.com
________________________________
Bérgson Frota, escritor, contista e cronista, é formado em Direito (UNIFOR), Filosofia-Licenciatura (UECE) e Especialista em Metodologia do Ensino Médio e Fundamental (UVA), tem colaborado com os jornais O Povo e Diário do Nordeste, desenvolvendo um trabalho por ele descrito de resgate da memória cultural e produzindo artigos de relevância atual.
( Foto : proascg25.pbwiki.com )

4 Comentários:

Blogger Jean Kleber Mattos disse...

Professor e pesquisador Bérgson Frota de volta, desta vez discorrendo, como sempre com muita propriedade, sobre o fenômeno do inverno chuvoso no Ceará. Desfrutem.

16.5.09  
Anonymous Lurdinha disse...

Bérgson amei seu trabalho sobre o nosso inverno. Apesar de ausente, sua presença faz falta, como antes era.

22.5.09  
Anonymous Pedro Ailton disse...

Amigo seus trabalhos são legais. Parabéns.

6.6.09  
Anonymous Marco Aurélio disse...

Cara você arrasou, principalmente no final. Parabéns professor, o inverno mesmo rigoroso para nós é sempre bem vindo.

8.6.09  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial