Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

18.2.18

BESTEIROL


BESTEIROL
 
Por Dalinha Catunda

*Já trepei na cumeeira
De lá espiei o chão
E na hora de coisar

Dispensei o meu colchão
Eu gosto duma zoeira
Mas nunca fui Zé Limeira
Pois é muita pretensão.
*
Eu já briguei com diabo
Fiz as pazes com Jesus
Com medo do satanás
Eu fiz o Sinal da Cruz
Lá no confessionário
Levei pro senhor vigário
Prato e meio de cuscuz.
*
Eu parti a rapadura
Dela fiz pé-de-moleque
Acabei na sepultura
Meu carro perdeu o breque
Num dia de pouco vento
Eu me escanchei num jumento
E me abanei com um leque.
*
Não tenho medo de arame
Não sendo ele farpado
Pulei cerca de faxina
Pra ver um cabra safado
Quando ele deitou no chão
Esbarrou num cansanção
E brochou lá no cercado.
*
A lua nasceu bonita
Por detrás lá do serrote
Eu sei que você tem sede
Mas eu vou quebrar o pote
Eu gosto de cobra cega
A que enxerga não me pega
Porque só come caçote.
*
Quando a seca sapecava
O povo do meu sertão
Eles vinham pra São Paulo
Em busca de salvação
Agora a coisa mudou
São Paulo também secou
Quem me disse foi São João.
*
Perereca saltitante
Só cai em boca de cobra
Cobra atrás de perereca
De tamanho ela dobra
Na bunda de cangaceiro
Vira o maior salseiro
Um juiz assina a obra.
*
Estes versos sem sentido
Pra fazer tive razão
Já estou de saco cheio
Só se fala em ladrão
O povo besta brigando
E o político tentando
Se firmar na profissão.
*
 


Maria de Lourdes Aragão Catunda – Poetisa, Escritora e Cordelista. Nascida e criada em Ipueiras-CE, conhecida popularmente como Dalinha Catunda, vive atualmente no Rio de Janeiro. Publica nos jornais "Diário do Nordeste" e "O Povo", nas revistas "Cidade Universidade" e "Municípios" e nos blogs: Primeira Coluna, Ipueiras e Ethos-Paidéia. É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel. É co-gestora convidada do blog Suaveolens, além de ter blog próprio: (cantinhodadalinha.blogspot).
 



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial