Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

12.4.10

A VIRTUDE DA CONTRADIÇÃO

Por
José do Vale Pinheiro Feitosa

As instituições milenares sofrem, na atualidade, contradições tremendas. Especialmente a matriz institucional das religiões. A abordagem histórica de tais contradições é freqüente e existe uma vasta literatura sobre tal coisa.

De modo geral, desde o fim das tribos, dos poderes arraigados na posse da terra e, a partir do predomínio dos burgos, que se instalou uma confusão tremenda nos pilares temporais das instituições que se julgavam atemporais. O primeiro sinal disso foi a percepção do arcaísmo de suas manifestações mais evidentes. Ao por tais manifestações na égide do antiquado, fatalmente seus pilares se viram como marcas do tempo.

Valores morais das regras centrais se oxidaram como tudo que se expõe à “poeira” do tempo. Isso não se deu de repente, a evidência do poder temporal, em transformação histórica, já estava na raiz da Reforma, em Henrique VIII e na “neo-inquisição” da Península Ibérica na era do mercantilismo. Inquisição assentada no poder dos comerciantes, da fidalguia e do rei. A igreja de cada país é mais extensão para os poderes locais do que matriz da política que a envolvia.

Tal qual como no Budismo, Hinduísmo, Xintoísmo e Islamismo. Na escala da própria história dos povos sob influência de cada uma delas. A matriz da transformação atual é maior e diferente de tudo o mais do passado. E muito mais se apresentará ao longo dos próximos anos e séculos.

Se tomarmos os conceitos como referência, próprio conteúdo dos substantivos, em si mesmo, se encontra sob enorme pressão de mudança. Os substantivos que tantas acepções, inclusive de sentido figurativo, já lhes fora ajuntada, passaram até a sofrer mudanças de dentro para fora.

Tomando como exemplo o catolicismo, cujo esteio maior, de ordem moral, se encontra no substantivo virtude. Que, aliás, é feminino e já fora adensado desde a civilização grega, tanto no aristotelismo, como no epicurismo e no cristianismo agostinista compreendendo que a virtude da essência humana era a disposição para o amor.

Tomemos esta virtude em rápida transformação de dentro para fora, até mostrar as crostas da ferrugem ou o zinabre na superfície. A virtude da proteção à criança, do cuidado a sua integridade física e psíquica. E tome a questão da pedofilia no interior da igreja católica. Onde se encontra a virtude? Em algo maleável, adaptado à proteção do patrimônio material da instituição e ao cinto de segurança do corporativismo institucional.

Qual a virtude do então cardeal Ratzinger ao proteger o Padre Stephen Kiesle, da Diocese de Oakland, acusado de amarrar e molestar dois meninos na casa paroquial? A virtude em diluição: escudar o “bem da igreja” como alternativa ou a virtude da misericórdia tão cara ao próprio cristianismo de modo em geral?

Os católicos há muito, no mínimo desde a Encíclica Rerum Novarum de Leão XIII e da Mater et Magistra de João XXIII, sabem que o mundo se encontra em transformação e que a Igreja se tornou parte do momento histórico como ente político. Quando o Papa Bento XVI foi à África e condenou o sexo fora do casamento e por tabela o uso do preservativo, muito mais do que uma virtude moral, pôs o dedo sobre uma virtude cultural e de saúde pública. Fatalmente o substantivo virtude estava sobre a contradição de forças sociais e, portanto, política.

Foto:
site: www. snpcultura.org/vol_concilio_vaticano_ii_memorias_de_um_tempo_novo.html


José do Vale Pinheiro Feitosa – nascido na cidade de Crato, Ceará, em dezembro de 1948, morando no Rio de Janeiro há 34 anos. Médico do Ministério da Saúde. Publicou o Romance Paracuru em 2003. Assina matérias em alguns blogs e jornais. Em literatura agita crônicas, contos, poesia e ensaios de temas variados. Gosta de pintar e tem alguns trabalhos de escultura. Colabora no Blog da Cidade do Crato.

1 Comentários:

Blogger Jean Kleber disse...

Um artigo iluminado de José do Vale Pinheiro Feitosa. Desfrutem.

12.4.10  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial