Suaveolens

Este blog foi criado por um cearense apaixonado por plantas medicinais e por sua terra natal. O título Suaveolens é uma homenagem a Hyptis suaveolens uma planta medicinal e cheirosa chamada Bamburral no Ceará, e Hortelã do Mato em Brasília. Consultora Técnica: VANESSA DA SILVA MATTOS

Minha foto
Nome:
Local: Brasília, Distrito Federal, Brazil

Cearense, nascido em Fortaleza, no Ceará. Criado em Ipueiras, no mesmo estado até os oito anos. Foi universitário de agronomia em Fortaleza e em Recife. Formou-se em Pernambuco, na Universidade Rural. Obteve o título de Mestre em Microbiologia dos Solos pelo Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco. Também obteve o Mestrado e o Doutorado em Fitopatologia pela Universidade de Brasília. Atualmente é pesquisador colaborador da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília.

20.2.16

NO TEMPO DA QUARESMA


 Por Bérgson Frota

Quando chegava a quaresma, a meninada nos longínquos anos 70 guardava as baladeiras e desmontava armadilhas, poupando munição pra outros tempos.
É pecado mortal matar qualquer animal neste período. Vão rezar, completava uma senhora ao ouvir de longe a reprimenda do primeiro.
Mas já era março, o começo das chuvas. Se tinha mandacaru florido e o fogo-pagô a cantar, era bom inverno, e naquele tinha.
Eram anúncios de chuva forte, de enchente do Jatobá, e para concluir tínhamos estas coisas a nos ocupar, a recortar de alegria o inverno na feliz infância.
As noites vinham chuvosas e frias, cheias de trovões e relâmpagos a nos assustar.
E quando de dia chovia, repetia-se os banhos nas praças, a correria pelas últimas bocas-de-jacaré ainda existentes e à debandada para ponte.
E lá vinha, das altas cabeceiras da Ibiapaba azulada, a primeira leva barrenta a trazer a água amarronzada e grossa que de dois a três dias já estava limpa e propícia ao banho.
A garotada pulava da ponte junto com os adultos, e rápido voltavam nadando, subindo o aterro e novamente chegando à ponte.
E lá ia um salto mortal, e lá ia um canga-pé (salto difícil), por fim saltos a se cansar até quase escurecer, ou quando o pai vinha antes buscar.
Na noite o coaxar alto dos sapos, que chamávamos de “zoada de cururu”.
Quando era hora de dormir, ficava uma “música” a nos embalar, além do som dos batráquios, dos pingos secos, mas constantes nas telhas, da chuva fina que ainda teimava a cair, completava os vaga-lumes que enchiam o “céu” do quarto, circundando os mosquiteiros.
Assim começávamos a saudar e viver as curtas, mas inesquecíveis estações invernosas do sertão.   

***

Bérgson Frota, escritor, contista e cronista, é formado em Direito (UNIFOR), Filosofia-Licenciatura (UECE) e Especialista em Metodologia do Ensino Médio e Fundamental (UVA), tem colaborado com os jornais O Povo e Diário do Nordeste, desenvolvendo um trabalho por ele descrito de resgate da memória cultural e produzido artigos de relevância atual.     

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial